#ATENÇÃO#

Novo endereço:
http://mente-hiperativa2.blogspot.com/

HIPERATIVOS:

#ATENÇÃO#

Novo endereço:
http://mente-hiperativa2.blogspot.com/


31 maio 2010

Surpresa

Eu tô diferente, é verdade, hoje de manhã saí de casa distribuindo sorrisos... Fazia tempo que em meu rosto não se pintava um assim, tão sincero e duradouro.

As pessoas notaram, não pude evitar; me perguntaram, não pude contar.

Na fila da padaria elas viram, no ônibus e na mesa de jantar também. É difícil esconder a felicidade! Todos já sabem que eu mudei, que algo aconteceu.

Poisé... A vida nos guarda muitas surpresas, e ela não está preocupada se você gosta ou não disso, e não está nem um pouco preocupada se você acredita ou não em destino.

As coisas simplesmente acontecem. E pra quem não gosta de ser surpreendido, acredite, isso pode ser excelente. Pode te deixar incrivelmente feliz.

[Mente Hiperativa]

Afiando a língua sem se cortar

Não, eu não disse isso, você só pode falar por você mesmo e não tem o direito de colocar palavras na minha boca. Não use meu nome pra divulgar pensamentos que não me pertencem. Se por acaso eu quiser me expressar sei fazê-lo muito bem, dispenso porta-voz ou qualquer tipo de premeditação de sua parte.

Como eu já disse, fale por você; se gosta de afiar a língua o faça com prazer, mas use a sua boca para tal e assuma a responsabilidade sobre o que diz. Seja homem! Não se esconda atrás de alguém para emitir uma opinião como se fosse da outro pessoa, e não sua. Além de imoral isso é vergonhoso.

Você deveria ter vergonha de atribuir a mim os teus pensamentos. Não tens personalidade pra assumir o que diz? Cadê a coragem nessas horas? Assuma a autoria dos seus pontos de vista e defenda-os com firmeza, não se esconda atrás de ninguém.


Se não for pra encarar de frente ao menos fique bem calado.

[Mente Hiperativa]

Tudo começa com o olhar

Me diz, como eu poderia supor as intenções escondidas por trás dos teus olhos?
Antes eu julgava seus olhares tão inocentes, descomprometidos, diria até fraternos.
Tentei evitá-los a princípio, mas logo descobri que não seria nada fácil. Hoje eu já me entrego a eles, fico tranqüilo, sem temê-los.

Eu sei que eles me fazem bem, eu sinto isso cada vez que você me olha. Um dia eu já tive medo de te encarar, é verdade, medo do que poderia acontecer. Sabe... Hoje eu não me assusto mais contigo, penso em tentar algo novo.

[Mente Hiperativa]

30 maio 2010

Desumanização médica II

Num outro dia, outro papo do estudante de medicina com o médico
Estudante: Doutor, a emergência do hospital está lotada de pacientes sofrendo. Alguns estão pelo corredor por falta de leitos para acomodá-los.

Médico: Eu sei.

E: Mas doutor, precisamos salvar todos, amenizar o sofrimento deles logo.

M: Sim.

(Pausa acompanhada de olhar desolado do estudante...)


E: Como você consegue se manter assim, tão frio e calmo?

M: O que acontece é o seguinte, quando alguém morre logo as pessoas providenciam um lençol para cobrir o corpo da vítima, qualquer uma pode fazer isso ?

E: Sim, e daí?

M: Você acha que alguém conseguiria cobrir todos os corpos jogados num campo de concentração nazista?
OBS: Os personagens dessa história são meramente fictícios, assim como o papo é uma criação da minha cabeça, logo essa cena nunca existiu ao não ser nos meus pensamentos.

[Mente Hiperativa]

Desumanização médica

Papo entre um estudante de medicina e um médico

Médico: O que é isso??? Você está embriagado? Você não pode, vai ser médico. Médicos não podem ficar bêbados assim.

Estudante: Err... Não?! Médicos não podem se divertir? Não saem pra beber e dançar?

M: Assim não, claro que não! Quem confiaria numa pessoa que fica alcoolizada e doida, dançando numa bota até de madrugada?!

E: Mas eu não pretendo ficar assim na hora da consulta, além do mais os pacientes também se divertem poxa, o que tem de errado nisso?

M: Deixa eu lhe explicar uma coisa, você vai ser médico, tem que ter a postura médica, tem que passar respeito e confiança, senão vão achar que você não tem competência.

E: Eu sei...

M: Você não é igual aos pacientes, você é Médico. Se um paciente estiver doente você não pode simplesmente agarrar-se a ele e sofrer junto, de igual pra igual.

E: Desculpe, apenas me passou pela cabeça que antes de ser médico eu seria um ser humano, como qualquer outro. Achei que eu também teria o direito de sofrer, chorar, fazer besteira, errar... Como qualquer pessoa tem.
[Mente Hiperativa]

29 maio 2010

Olha



Não sou nem um pouco fão do Roberto Carlos, mas essa música não tem saído da minha cabeça há dias, sobretudo a parte negritada.

Olha - Roberto Carlos e Erasmo Carlos


Olha, você tem todas as coisas
Que um dia eu sonhei pra mim
A cabeça cheia de problemas
Não me importo, eu gosto mesmo assim

Tem os olhos cheios de esperança
De uma cor que mais ninguém possui
Me traz meu passado e as lembranças
Coisas que eu quis ser e não fui

Olha, você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
Eu que sempre fui tão inconstante
Te juro, meu amor, agora é pra valer

Olha, vem comigo aonde eu for
Seja minha amante e meu amor
Vem seguir comigo o meu caminho
E viver a vida só de amor

Olha, você vive tão distante
Muito além do que eu posso ter
Eu que sempre fui tão inconstante
Te juro, meu amor, agora é pra valer

Olha, vem comigo aonde eu for
Seja minha amante e meu amor
Vem seguir comigo o meu caminho
E viver a vida só de amor

Olha, vem comigo, vem comigo aonde eu for
Seja minha amada, minha amante e meu amor

[Mente Hiperativa]

28 maio 2010

Noite de lua cheia

Eu já te contei que eu tenho uma coisa com a Lua?
Poisé, quando ela se enche eu me encho também
me encho de energia, de amor, de desejos incontroláveis

Não preciso procurá-la no céu ou consultar o calendário
eu já sei, meu amor, é noite de lua cheia
posso senti-la se enchendo dentro de mim

Então não me culpe, não me julgue ou me condene
faço o que faço somente porque é noite de lua cheia
ela que me deixa assim, ela que me tira do controle


[Mente Hiperativa]

Quero

Quero ir embora pra Pasárgada, andar de bicicleta e montar em burro brabo...
chamar a mãe d'água pra me contar algumas histórias na beira do rio
pois aqui não sou feliz, e lá eu sou amigo do Rei

Quero cair na toca do coelho e mergulhar em outro mundo
conhecer criaturas fantásticas somente enontradas no País das maravilhas
preciso aprender a confundir os sonhos com a realidade tal qual Alice

Quero embarcar numa longa viagem, encarar um Poseidon irado
me deparar com ciclopes, lestrogónios e outros monstros
chegar em Ítaca é o meu destino, mas espero que demore anos

Quero ser o peter pan, deus grego das florestas
morar na Terra do nunca e não ter que me tornar adulto
não quero sentir o peso da responsabilidade de viver

Quero me perder ao entrar no meu próprio Infinito particular
nos meus mistérios e segredos, no melhor e no pior de mim
já não tenho tanta certeza de que sou daqui e não de Marte

Quero as prendas de Itabira; as noites brancas sem mulheres e sem horizontes
também o ouro, o gado e as fazendas, o ferro Itabirense
não quero ser apenas uma fotografia na sua parede

Quero algum lugar qualquer que me contenha
Quero ser recebido de braços abertos

Quero o colo, o abraço e o amparo

Quero sair daqui, sumir desse lugar

Quero esquecer, mas quero também lembrar
Quero fugir pra um lugar bem longe, distante

Quero pensar no que não pode ser, e achar que assim pode
Quero tudo que não pode, tudo que ninguém ousou querer
Quero somente isso. E já estou de malas prontas pra partir.

[Mente Hiperativa]

26 maio 2010

Mania de escrever


Escrever é tão bom. Posso falar de fatos concretos, cartesianos, usando uma linguagem formal, ou posso brincar com as palavras de forma lúdica, contar histórias reais ou não, fantasiar, criar e abusar da imaginação.

Posso ainda misturar, a realidade à ficção, sem delimitar onde começa uma e acaba a outra, faço isso, e faço tão bem que muitas vezes nem eu mesmo sei o limite entre elas...

Fantasia sem realidade é loucura; realidade sem fantasia é crueldade. Que bom que minha vida tem fantasia, que arranco sorrisos das pessoas e que alimento-me com um pouco de imaginação, isso torna a vida menos sofrida, alegra um pouco meus dias e dos que me cercam.

Por isso escrevo, ora pra explicar, ora pra confundir, sempre pra despertar alguma coisa, em geral alguma dúvida. Afinal é sempre bom questionar-se, repensar e rever os pontos de vista, mudar as opiniões ou fortalecê-las.

Sendo assim quem lê nunca sabe se estou vivendo aquilo na minha vida, se observei em alguém ao meu redor ou se simplesmente criei aquela situação. Escrever te torna o dono das coisas, o poderoso criador. Pensando bem, escrever também tem um quê de vaidade...

[Mente Hiperativa]

25 maio 2010

Empurrãozinho

Cadê os seus sonhos?
Parecem ter caído por terra...

Agora tudo parece sem sentido,
sem cores, sem alegria .

Ela bem que teve vontade de jogar tudo pra cima
perdeu o ânimo que tinha nas coisas
quis abandonar tudo,
pois nada mais tem valor.

Mas não conseguiu,
fraca como está
nem isso consegue fazer
precisaria do empurrãozinho de alguém


[Mente Hiperativa]

Psicologia, humanas ou saúde???

Hoje eu vi uma propaganda da faculdade de saúde de Pernambuco, e ela anunciava os cursos de farmácia, enfermagem, fisioterapia educação física e psicologia. Mas psicologia não seria da área de humanas?

Fiquei pensando nisso, afinal, psicologia é saúde ou humanas?


De fato essa profissão não é considerada da área de saúde, é ensinada na área de humanas, talvez porque ao contrário dos cursos de saúde, a psicologia não trata a porção fisiológica do paciente (pelo menos não de forma direta), não usa medicamentos, cirurgia ou tratamentos orgânicos.

A psicologia usa o poder da palavra pra atingir a cura, usa o discurso, o amadurecimento de idéias, o simples pensar, e se dar conta de seus problemas. A psicologia é bem mais sutil, manipula os pensamentos para garantir a saúde, ensina cada um a lidar com suas próprias limitações e dificuldades, a conviver consigo mesmo.

Psicologia é sim saúde, claro,e é uma aliada cada vez mais utilizada em diversos tratamentos médicos, e digo aliada e não ferramenta ou auxiliar, não, não se pode tirar o mérito da psicologia. Nessa relação complementar cada um tem seu papel, a medicina e a psicologia, cada um tem sua função e não pode ser suprido ou compensado pelo outro.

Psicologia e medicina estão muito próximas, e ao mesmo tempo distantes; cada uma utiliza um método distintos mas ambas almejam atingir o mesmo objetivo, o bem-estar do paciente, as duas cuidam portanto da nossa saúde.

[Mente Hiperativa]

21 maio 2010

Veja bem, meu bem

Download:
FLVMP43GP


Pra não pensar besteira melhor escutar até o fim...

Veja bem, meu bem - Los hermanos


Veja bem, meu bem
Sinto te informar Que arranjei alguém
Pra me confortar
Este alguém está Quando você sai
Eu só posso crer Pois sem ter você
Nestes braços tais


Veja bem, amor

Onde está você?
Somos no papel Mas não no viver
Viajar sem mim Me deixar assim
Tive que arranjar Alguém pra passar Os dias ruins

Enquanto isso, navegando eu vou Sem paz
Sem ter um porto
Quase morto, sem um cais

E eu nunca vou te esquecer, amor
Mas a solidão deixa o coração Neste leva-e-traz

Veja bem além Destes fatos vis
Saiba: traições
São bem mais sutis
Se eu te troquei
Não foi por maldade
Amor, veja bem Arranjei alguém Chamado saudade

[Mente Hiperativa]

Já se sentiu invisível?

Ontem eu vivi a experiência de sentir-me invisível, e não estou falando de algum devaneio da minha (fértil) imaginação ou de de um super poder que eu tenha descoberto recentemente, a realidade é bem mais cruel que isso.

Ontem à noite eu estava na frente de um super mercado bastante movimentado aguardando a carona de um amigo, que demorou bastante em vitude de um acidente de trânsito ocorrido nas proximidades. Eu estava lá, inquieto como sempre, olhando tudo que se passava, toda a movimentação, quando de repente uma senhora se aproxima, silenciosamente.

Ela aparentava ter mais ou menos uns cinquenta anos, estava descabelada e mal-cuidada, era banguela e bastante humilde.
Ela aproximou-se de mim e perguntou se eu tinha cinquenta centavos. Respondi que não, pois de fato havia saido de casa sem dinheiro algum.

Fiquei observando ela, que se pôs a pedir trocados às pessoas que passavam naquela calçada movimentada, quietinha no seu canto, parecia que tinha receio em incomodar.
Fiquei próximo a ela, olhando, e não resisti em perguntar o que estava ocorrendo:

-É dinheiro pra passagem do ônibus é?
-Sim - ela respondeu - moro no interior, vim aqui em busca da ajuda de uma amiga mas ela se mudou, agora não tenho dinheiro pra voltar pra casa.

Encerrado nosso curto diálogo ela ficou ali, sozinha, vulnerável, pedindo- em vão- alguns trocados para completar o dinheiro de sua passagem. Me imaginei naquela situação, estaria desesperado, mas ela não parecia tão aperreada com o desprezo e a falta de perspectiva.

Coitada, pensei, talvez já esteja acostumada e conformada com o descaso das pessoas, acostumada a ser tratada com tanta indiferença pelos outros.

Me senti invisível. Mesmo que eu não estivesse sendo ignorado por ninguém naquele momento, me senti projetado naquela senhora, me coloquei no lugar dela e fui capaz de sentir-me naquela situação, naquele lugar que ela estava. Fiquei indignado, pois a maioria das pessoas que passavam pela calçada sequer paravam, não olhavam pra aquela senhora que pedia-lhes um trocado, niguem lhe dava a menor bola.

É como se ela fosse invisível. Eu me senti, por extensão, invisível também. E não foi nada agradável.


[Mente Hiperativa]

Cores e manias

Eu tenho várias manias (todo mundo tem né...) Hoje me dei conta de mais uma delas, até já sabia que eu tinha ela, mas nunca tinha pensado tanto nela. Às vezes saio de casa e fico observando as pessoas que estão usando uma camisa da mesma cor que a minha.

Hoje eu saí com uma camisa verde clara, desbotada, um verde incomum. Ainda no ônibus eu sentei ao lado de um cara com uma camisa do mesmo verde, depois vi uma mulher e uma grade da mesma cor também. Bem, geralmente grades não entram na minha contagem, mas foi muito estranho achar uma grade dessa cor...

Eu não sei bem quando começou essa mania, nem sei por que começou, talvez tenha sido apenas como um passatempo ou talvez tenha sido um artifício pra eu não me sentir sozinho; pois assim pelo menos eu sei que algumas pessoas estão compartilhando alguma coisa comigo, nem que seja apenas a cor da camisa.

[Mente Hiperativa]

Colher, copo ou balde???

Durante a visita a um hospital psiquiátrico, um dos visitantes perguntou ao diretor:
- Qual é o critério utilizado para vocês decidirem quem precisa ser hospitalizado aqui?

O diretor então responde:
- Nós enchemos uma banheira com água e oferecemos ao doente uma colher, um copo e um balde e pedimos que a esvazie. De acordo com a forma que ele decida realizar a missão, nós decidimos se o hospitalizamos ou não.

- Entendi... - disse o visitante - uma pessoa normal usaria o balde, lógico, que é maior que o copo e a colher.

- NÃO! - respondeu o diretor - Uma pessoa normal tiraria a tampa do ralo. E então, o que o senhor prefere? Quarto particular ou enfermaria? Vamos, decida logo.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------


Poisé... Aposto que a maioria pensou em escolher o balde também. E todos se achando "normais" por isso, achando que os loucos iriam escolher a colher ou o copo.

Essa simples piada tem a intenção de abrir a nossa mente, pra percebermos que às vezes os loucos somos nós mesmos, e que talvez não seja tão estranho ou distante assim a idéia de ser um pouco louco.

[Mente Hiperativa]

20 maio 2010

E você, é normal. maluco ou neurótico???

video

Eu precisaria de ajuda dos universitários pra responder essa pergunta tão complexa...

[Mente Hiperativa]

Qual arroz você prefere?

Hoje eu fui almoçar e então preparei um arroz bem capricado, do jeito que eu gosto, com muito alho, cebola, verduras, cenoura ralada, champignons... Enfim, com tudo que eu tenho direito.

Quando estava comendo o arroz, não sei porque, fiquei pensando numa pessoa que conheço e que adora o arroz servido aos pacientes internados no hospital. Sim, aquele arroz completamente sem graça, sem tempero algum, sem nem colorau, puro, seco e sei lá mais o que.

Pode parecer mentira, mas tem gente que diz que gosta desse arroz de hospital, na verdade penso que se acostumam a comer do 'arroz de hospital' pois pensam que caso se habituassem a comer do arroz rico um dia iriam sofrer, no dia em que só houver 'arroz de hospital'.

Então, na cabeça dessas pessoas, é melhor se habituar com o pior, incorporá-lo e aceitá-lo como sendo normal, ao invés de preferir algo melhor e -eventualmente- sofrer por não tê-lo. Pra mim isso se chama conformismo.

Do mesmo jeito que é com o arroz é assim também com tantas coisas na vida...
O melhor de todos os exemplos que eu poderia dar, e o único que vou dizer, é o amor. Sempre ele. Muitas vezes nos acostumamos a viver sem nos apaixonar, sem amar, sem nos entregar. E por que? Por conta do simples medo de em algum momento perder esse amor, ser deixado ou traído. Nos aflige a possibilidade de perder uma coisa que passou a ser tão importante na nossa vida, então, muitas vezes as pessoas preferem se abster do amor, evitá-lo, ao invés de ter que sofrer por ele.

E quem nunca jurou pra si mesmo, depois de ter acabado uma relação, que jamais se entregaria novamente a um amor???

[Mente Hiperativa]

19 maio 2010

Não consigo parar de sentir



Não consigo parar de sentir - Franz Ferdinand
(Can't stop felling)

Minha alma começa a rodar novamente
Eu não consigo parar de sentir
Não, eu não consigo parar de sentir
E o engraçado não é mais engraçado
Eu não consigo parar de sentir
Não, eu não vou parar de sentir

E você me deixou aqui sozinho
Yeah, você me deixou aqui no chão
Você não consegue sentir
E você não consegue sentir
Você não consegue sentir
E você não consegue mais sentir

Doo-doo-doo, doo-doo-do-doo

Garoto de alma, desanimado e sozinho
E sua alma está desfeita novamente
Mas você não consegue parar de se mover
Não, você não vai conseguir parar de se mover junto
Aaaah...

Minha alma começa a rodar novamente
Eu não consigo parar de sentir
Não, eu não paro de sentir
E nós não somos mais 'nós'
Eu não consigo parar de sentir
Não, eu não vou parar de sentir

E você me deixou dançando sozinho
Yeah, você me deixou para morrer no chão
Você não consegue sentir
Não, você não consegue sentir
Você não consegue sentir
E você não consegue sentir mais
Sentir mais, sentir mais
Sentir mais

[Mente Hiperativa]

Confuso

Eu já não tenho mais certeza
certeza de que quero isso

mas se não é isso que eu quero
o que é que eu quero então
já que toda vida eu quis isso

[Mente Hiperativa]

18 maio 2010

Momentaneamente

Momentaneamente
já estou começando a gostar dessa ideia
não fico mais confuso, inseguro em pensar nela

Momentaneamente
já estou deixando de achar estranho
apenas relaxo e deixo rolar

Momentaneamente
já estou me acostumando a te ter dessa maneira
sem posse, sem propriedade, sem ser deu dono

Momentaneamente
já estou aprendendo a curtir cada instante contigo
a eternizá-los em meus pensamentos
para que deixem de ser momentâneos

Momentaneamente
já estou pensando que assim pode dar certo
talvez essa seja a fórmula que eu buscava

[Mente Hiperativa]

Bate três vezes na madeira que "anula"

Seria tão bom se pudessemos anular as coisas ruins que dizemos batendo três vezes na madeira, fazendo sinal da cruz ou batendo na boca. E ser protegido por carregar consigo um simples pé de coelho ou um trevo de quatro folhas, não ia ser bom?! Já pensou se um comigo-ninguém-pode ou uma arruda na sala de casa pudessem afastar gente ruim? E se um alho ou sapinho na carteira atraíssem dinheiro? Todo mundo seria rico...

Eu até queria acreditar em algumas dessas coisas, mas me parecem tão sem sentido... Não consigo perder meu tempo com isso.

Porque cruzar com um pobre gato preto traria azar? (E por que não se pode falar a palavra azar?) Se fosse assim ninguém criaria gatos pretos e eles estariam extintos a essa altura. E cruzar os dedos? Cruzar os dedos altera a configuração dos fatos?

Quando eu era criança minha vó dizia que se uma coruja pasasse por cima da casa piando e alguma porta tivesse aberta, seria morte na certa. Já pensou no aperreio de vida que seria se eu acreditase nisso? Ou arrancaria todas as portas de casa ou então eu ia morar no pólo sul, onde provavelmente não deve haver corujas assassinas.

Eu não acredito nessas coisas, passo por debaixo de escada, levanto da cama com qualquer pé, tanto faz, sal grosso pra mim serve apenas pra temperar carne de churrasco, visto roupas do avesso pra dormir e nunca ganhei grande quantia de dinheiro depois de coçar a mão.

Cético? Talvez... Meu consolo é que eu não corro o risco de ficar paranóico, querendo controlar e anular tudo que se passa ao meu redor, evitando (ou achando que estou evitando) coisas ruins.

[Mente Hiperativa]

Último romântico


Me dá um beijo, então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida
Assim, sem aventura...

Deixa ser
Pelo coração
Se é loucura então
Melhor não ter razão...

Música completa
Último romântico

[Mente Hiperativa]

17 maio 2010

Minha mente, uma ilha; meus pensamentos, garrafas lançadas ao mar

Minha cabeça é como uma ilha isolada, distante, mas extremamente conectada com o mundo através da água que a circunda.

Diariamente ela recebe cardumes de idéias, que de modo semelhante aos peixes, vem e vão, o tempo todo, incessantemente. Preciso ser ágil para conseguir fazer a captura, e ao mesmo tempo bastante cuidadoso.

Cada onda traz novos pensamentos, insights e dúvidas que não me deixam entediado diante da 'aparente' mesmice continuada. Não me canso, portanto, de escrever, digitar, contar e compartilhar tudo que se passa nessa ilha perdida, todo esse mar de pensamentos.

Viver numa ilha pode até poderia parecer triste, caso eu acreditasse que estou sozinho; porém me parece muito emocionante a partir do momento em que compartilho minhas vivências mais íntimas, mesmo que seja colocando-as dentro de garrafas e lançando-as ao mar, desconhecido, sem mesmo saber quem vai apanhar as mensagens, se vai ler, se vai gostar ou não.


[Mente Hiperativa]

Como saber que chegou a hora?

Problemas todo mundo tem, é verdade. Todo mundo tem conflitos familiares, conflitos internos, não-aceitação de algum aspecto de si mesmo, todo mundo tem seus momentos tristes, deprimidos, em que a solidão parece a melhor companhia. Todo mundo sofre, em maior ou menor grau, cada um por um motivo específico, cada um à sua maneira de sofrer. Isso tudo faz parte do processo de crescimento/amadurecimento, não é sem motivo.

Mas então como saber a hora em que esses problemas deixam de ser meramente cotidianos para adquirirem uma dimensão maior, com a qual não conseguimos lidar? Como saber que chegou a hora de buscar ajuda?

Diariamente inúmeros pequenos problemas surgem, alguns persistem, outros são facilmente resolvidos; uns são pequenos e simples, outros um pouco mais complexos. No fim todos parecem ter sido resolvidos, felizmente.

Mas e quando eles resolvem persistir?
E quando nos tiram o sono, se acumulam e crescem desenfreadamente?
E se ele tirar sua fome, seus desejos, seu ânimo?

E agora quem poderá nos ajudar?

Um parente?
Um amigo?
Um psicólogo?
Um médico?
Uma igreja?
Deus?
Um remédio?
Um conselheiro?


TODOS eles?

Ou nenhum deles?

Bom, se você tem problemas que te fazem sofrer, que te tiram do chão e não te deixam pensar em outra coisa então é hora de buscar ajuda. É hora de deixar o casulo, a fortaleza, o abrigo e procurar ajuda. Procurar quem? Qualquer um que esteja disposto a ajudar, que ofereça um bom conselho e apoio, a partir daí você se encaminha, escuta uma opinião de fora, que te orienta a escolher o melhor caminho.

O primeiro passo é buscar ajuda, o resto é pura consequência.

[Mente Hiperativa]

Esperar ou correr atrás?

Algumas pessoas preferem não criar expectativas, preferem não planejar, vão vivendo a vida do jeito que ela é. Assim evitam frustrações, ou pelo menos boa parte delas, se esquivam do sofrimento e da dor, fogem de tudo que possa possa lhe causar um possível desconforto.

Essa é uma forma de se agir e pensar. Mas eu prefiro gerar expectativas, pra que assim eu possa sentir o sabor da vitória, doce e suculento, assim eu dou mais valor às minhas conquistas, desfruto do êxtase de atingir meus objetivos. Fico ansioso, é verdade, mas a ansiedade me tira o controle, assim eu saio da segueança e da obviedade.

Você que se deixa levar pela vida, relaxado, pode dizer que eu vou me deparar com derrotas e frustrações. Sim, é verdade, mas acontece, o cair e levantar faz parte da vida. Eu gero expectativas, às vezes atinjo-as, outras vezes sofro por não conseguir, mas o sofrimento passa, não há nada que o tempo não cure. Prefiro me focar nas vezes que eu ganho, esquecendo que às vezes perco.


Sendo assim prefiro orientar meus passos, estudar minhas possibilidades e me planejar, pensando no futuro próximo, sonhando e imaginando como ele virá. Vou seguir sempre pra onde eu quero, não vou me deixar levar pela maré, me contentando com o que vier. Qualquer coisa não é recompensa, eu quero bem mais que 'qualquer coisa'.

Eu sei o que quero, corro atrás e planejo sim. Eu quero mesmo o que está longe, difícil, quero remar e nadar atrás do que me interessa, contra a maré se for necessário, se for difícil é melhor. Eu sei bem o que quero, luto para consegui-lo, e não espero que seja fácil. Crio expectativas sim, e sei como é bom atingi-las. Você deveria experimentar também, planejar não é tão mal assim.

[Mente Hiperativa]

16 maio 2010

O corpo fala

Anteontem fui ao supermercado comprar um presente pra meu avô, um livro. Tá, eu sei que as pessoas vão ao supermercado comprar comida, frutas, carne e cerveja, sei que não é normal ir ao mercado comprar livros, mas lá se vende livros então o que eu posso fazer?

Olhei todos os títulos, analisei cada um imaginando se vovô ia gostar ou não. No final acabei levando quatro livros, todos pra mim! Não encontrei nenhum que fosse do agrado dele, pensando bem vou dar outra coisa de presente, todo ano eu já dou livro mesmo, tá na hora de variar...

Fiquei na dúvida de qual livro ler primeiro, pensei em começar por 'laços eternos', de Zíbia Gasparetto, mas deixei ele pra ser o segundo, o primeiro vai ser 'O corpo fala - a linguagem silenciosa da comunicação não verbal', de Pierre Weil. Sempre me interessei por tudo que é humano, e esse livro fala sobre a comunicação humana, ajuda a nos entendermos além das palavras, a percebermos a linguagem corporal inconsciente que se manifesta independente de nossa vontade e que fala tanta tanta coisa a quem sabe ouvi-la.

No primeiro capítulo ele nos provoca:

"Alguém à sua frente cruza ou descruza os braços, muda a posição do pé esquerdo ou vira a as palmas das mãos para cima. Tudo isso são gestos inconscientes. e que por isso mesmo, se relacionam com o que se passa no íntimo das pessoas.


Quer saber o que significam?"

Bem, ele não falou mais nada, deixou implícito que pra saber tem que ler. E é o que eu vou fazer agora.

[Mente Hiperativa]

Patos nunca são cachorros


Hoje eu estava assistindo globo repórter... Sim, hoje. É que na sexta não pude assistir, então recorri ao youtube pra poder ver, não gosto muito do globo repórter poque acho muito repetitivo, mas esse me interessou, era sobre os animais que desenvolveram hábitos humanos.

Teve um ganso que acompanhava seu dono até ao banco, um cachorro que pegava ferramentas para o seu dono, uma galinha que criou filhotes de cachorro (poisé). Em dado o apresentador questiona, será que o animal vê no humano um animal da sua espécie ou será que ele próprio se sente um humano?

Eu não sei a resposta dessa pergunta, mas isso me fez lembrar um texto que li há muito tempo, 'patos nunca são cachorros' é o nome da história de um pato que tenta a todo custo ser um cachorro. Pensei em tudo que a gente tenta ser, que a gente quer aparentar ser, em tudo que realmente somos. Pensei na transformação que passamos, diária e silenciosa, nos nossos esforços pra aceitar os defeitos e desenvolver as qualidades que temos.

É assim, ninguém nasce pronto, a cada dia se descobre um ponto bom e outro ruim, a cada dia se muda e se mantém, cada dia é um conflito, e uma solução.

O texto que comentei foi escrito pelo Elton e está logo abaixo, a princípio pode parecer extenso, mas a habilidade do autor em utilizar as palavras dá um ritmo muito bom que nos faz ler sem se dar conta.


Patos nunca são cachorros

Um dia vi um pato
que queria ser cachorro
tentou latir
tentou bater o rabo
tentou até roer um osso
coitado, não tinha dentes
mas ele queria muito ser cachorro
seus amigos-patos lhe falavam:
ser cachorro é até bacana
mas agora tá difícil
mas o pato não ouvia
corria de bando em bando
procurando dar um jeito
"quero mesmo é ser cachorro"
era o que dizia
e não era um absurdo
nesse mundo as coisas mudam
mas não desse jeito
um dia ofereceram-lhe pêlos
"que feiura um pato peludo!"
não aceitou, afinal
queria mesmo era ser cachorro
e continuou com sua busca
não tardou, porém, ele cansou
"para um pato, ser cachorro é impossível"
e num negócio desleal
aceitou tornar-se rato
"isso está ao meu alcance"
uma vez rato, deixou os patos
seres sonhadores
e tocou sua nova vida
nos esgotos, nos lixos
mas um dia foi terrível
encontrou um cachorro
que faminto, quis comê-lo
chorando, contou que fora pato
e que quisera ser cachorro
o cão parou
e riu, riu, riu
"e porque não virou cachorro, afinal?"
perguntou ainda rindo
"aprendi que é impossível"
falou o rato, que era pato, que agora quase não era nada
o cachorro riu que até lacrimejou
"de onde tirastes essa idéia?"
o rato, orgulhoso de seu aprendizado respondeu
"da vida, ora bolas"
"não te enganes, caro rato" retrucou o cão
"foi de ti, e apenas de ti que tirastes esta conclusão"
o rato, que sofria com aquela sessão de tortura prolongada, gritou
como quem se acha sabedor de muita coisa
"é possível, por acaso, um pato virar cachorro?!?!"
o cachorro não respondeu
virou-se e mostrou sua pata traseira esquerda
o rato, sentindo a barriga congelar, balbuciou
"é uma pata... de pato"
o cão contou então sua história
que fora pato e que quisera ser cachorro
passou pelas mesmas dificuldades do agora-rato
sofreu, penou
aprendeu também a mesma lição
"patos não podem mesmo ser cachorros"
mas pensou um pouco mais
e percebeu
que para que pudesse ser cachorro
tinha, primeiro, que deixar de ser um pato
e aprendeu, então, a olhar e a ouvir
percebeu que os amigos-patos tinham muito a lhe ajudar
muitos queriam também deixar de ser pato
descobriram, juntos, o caminho para se chegar a ser cachorro
não sem muita luta
dia a dia pensavam
"o que faz de um cachorro, um cachorro?"
"cachorros latem", disse um
"cachorros têm dentes" disse outro
"cachorros têm pêlos" disse ainda um outro
conforme iam aprendendo
seus corpos iam se modificando
até o momento em que se tornaram cães
o rato então objetou-lhe
"não és um cão completo, tens uma pata ainda de pato!"
o cachorro (ou o que mais se parecia com um na ocasião) serenamente respondeu
"é bem verdade, meu nobre" e continuou
"mas é que aprendi muita coisa nesse caminho... nada foi em vão"
"primeiramente, só serei um cachorro quando aprender a ser cachorro"
"e isso são se pode saber quando acontecerá"
"entretanto, mais importante que isso foi outro aprendizado"
contou então sobre alguns de seus amigos
que ao tornarem-se cães completos, enlouqueceram
ao descobrirem que cachorros também sofrem
e têm problemas como qualquer bicho no mundo
o que o quase-cão aprendeu com isso?
foram estas as suas palavras:
"para quem foi pato, poder ser um cão é o paraíso
mas para quem já é cão, ser um cão pode ser um sofrimento
o melhor então a fazer é deixar de ser um pato
sem nunca chegar a ser um cachorro
porque quem pensa ser um
abre mão do mais importante
que é querer sempre ser um cão"

o que aconteceu com o rato-que-foi-pato não se sabe
o que eu sei é que não foi comido pelo quase-cão-que-já-foi-pato
mas se ele aprendeu algo com aquela situação
já deve ter deixado de ser um rato
porque para um pato que um dia quis ser cachorro
aceitar ser só um rato é muito pouco e muito fácil
é patético

por elton

Fonte: Tentando ser humano

[Mente Hiperativa]

O último pôr do sol



O último pôr do sol - Lenine

A onda ainda quebra na praia,
espumas se misturam com o vento.
No dia em que você foi embora, eu fiquei
sentindo saudades do que não foi
lembrando até do que não vivi, pensando em nós dois

Eu lembro a concha em seu ouvido,
trazendo o barulho do mar na areia.
No dia em que você foi embora,
eu fiquei sozinho olhando o sol morrer
por entre as ruínas de Santa Cruz lembrando nós dois

Os edifícios abandonados,
as estradas sem ninguém,
óleo queimado, as vigas na areia,
a lua nascendo por entre os fios dos teus cabelos,
por entre os dedos da minha mão passaram certezas e dúvidas

Pois no dia em que você foi embora, eu fiquei
sozinho no mundo, sem ter ninguém,
o ultimo homem no dia em que o sol morreu

[Mente Hiperativa]
Download:
FLVMP43GP

Meu destino, um livro em branco

Sempre fui muito cético com relação a essa coisa de destino, está traçado, escrito, pronto e passado a limpo. Nunca acreditei que alguém escreveu uma história pra eu vir aqui atuar, não me lembro de ter recebido roteiro algum na maternidade. Além do mais não imagino Deus escrevendo histórias, roteiros e cruzando-os cuidadosamente, depois colocando um monte de personagens pra encenar sua peça. Não imagino Deus sentado numa nuvem, comendo pipoca enquanto assiste sua peça de teatro. Isso me parece muita vaidade pra um ser tão nobre e supremo, me parece um papel humano demais pra Deus.

Então quem quiser que acredite, que fique resignado à sua situação por achar que esse é o seu destino. Eu não tô nem aí para o destino, corro atrás do que eu quero mesmo que pareça improvável, não acredito em predestinação, acredito em merecimento, me parece bem mais razoável.

Se eu quero uma coisa eu faço o quê? Luto por ela, claro. Poderia dizer que o destino quis assim, quis que eu não conseguisse essa coisa, podia dizer que já estava traçado pra ser assim. Ah, eu nem acredito nessa conevrsa, nem adianta, minha história quem faz sou eu, meu livro chegou em branco e eu tô escrevendo do jeito que eu quero. Se o seu livro já veio pronto, meus pêsames, fique resignado à sua história, ao seu 'destino'.


[Mente Hiperativa]

Ninguém é de ninguém

A vida parece querer nos ensinar o tempo todo, bombardeando-nos com experiências que proporcionem a nós algum questionamento, que tragam dúvidas, e depois respostas; respostas essas que orientem nossa evolução.

Uma das lições que a vida traz é a de que ninguém é de ninguém, não temos posse sobre qualquer outra pessoa, ninguém é propriedade nossa nem nos deve absolutamente nada, cada um é livre na sua vida, livre pra fazer suas escolhas e seguir seu caminho. Talvez por isso -penso eu- que os namoros acabem, que os entes queridos morram, que as amizades esfriem e as pessoas se afastem com o passar do tempo. Talvez seja pra nos lembrar que ninguém nos pertence, ou para que nós possamos aprender mais rapidamente essa lição.

Mas nem sempre temos essa consciência, muitas vezes ainda teimamos que a outra pessoa é sim uma parte de nós e relutamos em perdê-la; nesses casos, então, nós sofremos com a rejeição, com o fim, com a 'perda', com a morte, com a despedida e com tudo que nos faça enxergar a dura realidade de que aquela pessoa não está sob a nossa posse e que não podemos,
compulsoriamente, trazê-la pra perto de nós.

Mas a vida nem sempre está preocupada se você aceita bem a idéia de que 'ninguém lhe pertence', o fato é que gostando ou não disso, sabendo ou não lidar com o afastamento, ele sempre ocorrerá. Pode ser abrupto ou gradual, mas como ninguém pertence a ninguém, a qualquer momento aquela pessoa seguirá seu caminho, deixando você pra trás, como uma boa lembrança que a fez tão bem num tempo distante.

Por mais intenso e perfeito que pareça um relacionamento amoroso, um dia ele acabará. Por mais amor que você tenha a sua vó, um dia a morte tira ela do seu convívio. Por mais bonita que seja uma amizade, em algum momento cada um seguirá uma direção distinta e o tempo acabará afastando os dois. E você não pode fazer nada pra mudar isso.

E os filhos? Os filhos que pareciam ser propriedade dos pais um dia passam a tomar suas próprias decisões, caminhar com suas próprias pernas e seguir seu próprio caminho. Os pais não podem reclamar, pois não têm registro de posse em cartório algum; aliás, ninguém tem.

Eu já tive muitos problemas em tomar essa lição como verdade, hoje me esforço pra aceitar que a vida coloca pessoas no nosso caminho para que nós possamos conhecer, sentir afinidade, aprender, construir e evoluir, então elas seguem seu caminho, deixando-nos apenas os frutos disso tudo. Sendo assim você tem duas opções: sofrer por não ter mais aquela pessoa por perto, ou usufruir do que ficou de bom e ficar feliz por saber que ela está bem, seguindo seu caminho. Nenhuma relação é em vão, sempre fica alguma coisa, algum aprendizado, alguma lembrança positiva, elas sempre acrescentam alguma coisa boa em nossa vida.

Vou aliar a a lição do carpe diem à lição de que ninguém é de ninguém, vou 'aproveitar o dia' até o momento que chegue a despedida. Já estou aprendendo com o tempo a receber as pessoas em minha vida e a deixar elas seguirem seu caminho, naturalmente, sem sofrer tanto. Estou tentando encarar a despedida como uma parte do relacionamento, afinal ninguém é de ninguém e o sentimento de posse é pura ilusão.

[Mente Hiperativa]

15 maio 2010

Noite perfeita

Para ter uma noite boa, basta uma boa companhia.

Mas para ter uma noite Perfeita... Ah, é preciso ter encontrado uma companhia Perfeita.

[Mente Hiperativa]

14 maio 2010

Eu finjo!

Pra não parecer dramático, às vezes eu me calo

Não comento nada diante do seu descaso comigo
Não peço sua atenção
Finjo não me importar com algumas atitudes suas
Faço de conta que nem sinto falta de certas coisas
Das suas ligações


Posso até estar morrendo por dentro
Mas por fora ninguém repara, não deixo ninguém notar
Muito menos você
Sou dissimulado sim, quando quero
E não vou te dar esse gostinho de 'vitória'

Me calo, às vezes, pra não parecer dramático e sentimental demais
Pra não transparecer minhas fraquezas
Escondo elas atrás do do meu silêncio
E chego a fingir tão bem que às vezes até me pergunto:
Será que sinto mesmo a tua falta?

[Mente Hiperativa]

13 maio 2010

Vocação médica inconsciente

Na aula de ética e legalidade na prática médica um slide me chamou especialmente a atenção:

--------------------------------------------------------------------------------------------
VOCAÇÃO MÉDICA (MOTIVAÇÃO INCONSCIENTE)

#Fobia pela morte: Tentativa de evitá-la.
#Desejo de tratar a si mesmo através dos outros.
#Necessidade de reparação.
#Espírito de competição.
#Fascínio pelo poder: Fantasia de narcisismo
e onipotência.
--------------------------------------------------------------------------------------------

Aí fiquei pensando...
Martelando...
Remoendo...

Será que eu tenho alguma motivação (inconsciente) dessas???

[Mente Hiperativa]

Meu herói, meu bandido



Pai - Fábio Jr.

Download:
FLVMP43GP

Pai!
Pode ser que daqui a algum tempo
Haja tempo prá gente ser mais
Muito mais que dois grandes amigos
Pai e filho talvez...

Pai!
Pode ser que daí você sinta
Qualquer coisa entre
Esses vinte ou trinta
Longos anos em busca de paz...

Pai!
Pode crer, eu tô bem
Eu vou indo
Tô tentando, vivendo e pedindo
Com loucura prá você renascer...

Pai!
Eu não faço questão de ser tudo
Só não quero e não vou ficar mudo
Prá falar de amor
Prá você...

Pai!
Senta aqui que o jantar tá na mesa
Fala um pouco tua voz tá tão presa
Nos ensine esse jogo da vida
Onde a vida só paga prá ver...

Pai!
Me perdoa essa insegurança
Que eu não sou mais
Aquela criança
Que um dia morrendo de medo
Nos teus braços você fez segredo
Nos teus passos você foi mais eu...

Pai!
Eu cresci e não houve outro jeito
Quero só recostar no teu peito
Prá pedir prá você ir lá em casa
E brincar de vovô com meu filho
No tapete da sala de estar
Ah! Ah! Ah!...

Pai!
Você foi meu herói meu bandido
Hoje é mais
Muito mais que um amigo
Nem você nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz
Pai! Paz!...

[Mente Hiperativa]

Blogo, logo existo.

Blogo, logo existo.
"... E que fique muito mal explicado. Não faço força para ser entendido. Quem faz sentido é soldado..."

Mário Quintana